quarta-feira, 26 de outubro de 2016

terça-feira, 25 de outubro de 2016




V Semana Espírita

RESPONSABILIDADE SOCIAL perante as LEIS MORAIS

17 a 23/10/16


No sábado (22/10) os eventos da V Semana Espírita foram apresentados de forma diferente, técnicas de dramatização e debates envolveram a presença de um público infanto-juvenil e suas famílias.
Pela manhã, tratando da Lei de Justiça, Amor e Caridade, as crianças da Evangelização Infantil apresentaram os Serviços do Amor que a Fraternidade Espírita Irmã Scheilla oferece à sociedade manifestando o compromisso de responsabilidade social que a instituição pratica junto à comunidade.
Uma plateia de trabalhadores, pais e responsáveis, orgulhosos dos artistas mirins, assistiram a demonstração dos serviços de amparo prestados pelo corpo de voluntários do Centro. O teatrinho, estreado pela evangelizadora Mônica e as crianças, interpretou o auxilio fraterno (atendendo atualmente 700 pessoas), o plantão de passes e os trabalhos sociais realizados externamente, como o preparo e distribuição de mingau e sopa pelas ruas de Salvador.  
Das atuações externas destacam-se o trabalho do Grupo de Ajuda ao Outro (GRÃO) que apoia 100 famílias da comunidade Nova Brasília e os internos do Lar Vida.
Citadas as ações internas: doutrinárias, reuniões mediúnicas, livraria, cursos e grupos de estudos para adultos, bazar e o aprendizado infanto-juvenil.
Desde cedo, as crianças aprendem que a Missão da FEIS constitui-se em “acolher encarnados e desencarnados fraternal e amorosamente, capacitando-os e estimulando-os para sua transformação moral”.
A Casa da Irmã Scheilla ajuda muitas pessoas, a verdadeira responsabilidade social contribui para uma sociedade melhor, mais justa e com a evolução de todos que chegam a sua sede.
Todos os quadros de dramatização foram intercalados com músicas parafraseadas, a exemplo do Hino da Irmã Scheilla citando ingredientes de amor e carinho.
No final as crianças cantaram o Pai Nosso depois distribuíram sopa ao som da música Paz pela Paz.  O presidente da Casa, José Milani, agradeceu e emocionou mais ainda a plateia lembrando o amoroso amigo Rafael Catoni, um exemplo de dedicação aos jovens e crianças.

18o. CAFÉ DA MANHÃ FEIS

30 de outubro de 2016

de 8 às 11 horas da manhã

 

domingo, 23 de outubro de 2016

V Semana Espírita
RESPONSABILIDADE SOCIAL perante as LEIS MORAIS
17 a 23/10/16

Hoje temos o grande encerramento!!! 


Momento artístico com Moacir Mendes, a partir das 16:00 h.
Imperdível para quem curte boa música!!!

Transmissão ao vivo pelo youtube:
 
 

V Semana Espírita


RESPONSABILIDADE SOCIAL perante as LEIS MORAIS



17 a 23/10/16




Armando Lui, baixista e vocalista, iniciou, no estilo voz e violão, a noite de sexta-feira da V Semana Espírita da FEIS (21/10). A palestra ficou a cargo do terapeuta transpessoal e músico, Jordan Campos, abordando a Lei de Igualdade e Lei de Liberdade.
Observar as oportunidades recebidas de Deus entre crianças vítimas de guerra e populações preservadas dessa tragédia ou o procedimento ético de políticos foram as ideias do conferencista para analisar a justiça divina na Lei de Igualdade. Pode nos parecer estranho a desigualdade mostrada pela imprensa, mas é só aparência. Os espíritos são iguais, contudo, por mérito e evolução, vivemos momentos diferentes. Portanto, Deus não é injusto, a reencarnação explica as desigualdades entre nós.
Decididamente, tal lei pressupõe os pilares do Espiritismo, nos faz entender que somos iguais. Para Jordan, a maior lei de Deus é a evolução manifestada na igualdade de chances para todos. Uma coisa é sermos iguais em espírito vivendo situações diferentes, outra e a desigualdade social. Não devemos aceitá-la entre os relacionamentos, gêneros ou agrupamentos sociais. As diferenças sexuais e raciais ou as dificuldades de acesso à boa educação e saúde devem ser respeitadas.
A Lei de Liberdade pressupõe livre escolha, a liberdade de construir seu caminho. Há três teorias concernentes ao livre arbítrio:
·        Fatalista – Prevê que não há escolhas, não há o que fazer. Nada existe sem a autorização divina.
·        Predestinacionista – Nascemos predestinados para ser ou fazer alguma coisa. O que é discutível porque nem todos têm condições morais para fazer opções da nova encarnação.
·        Determinista – O que acontece conosco é a soma das nossas tendências mais o resultado das ações. Há uma direção espiritual sobre as tendências, porém podemos mudar pela nossa força, ou seja, somos também responsáveis por nossos destinos. A mudança de hábitos e a fé são provas de que nem tudo está escrito. A Lei de Liberdade permite-nos escolhas que possam mudar a própria trajetória.
O palestrante sugere, no final, que aproveitemos desta lei para libertarmo-nos do que está preso ou acorrentado como os vícios, tendências negativas e relacionamentos perversos na direção de resolver nossos problemas antes de qualquer acontecimento grave.






V Semana Espírita

RESPONSABILIDADE SOCIAL perante as LEIS MORAIS

17 a 23/10/16

A cantora Mary Vidal e o músico André Luis deram inicio à quarta noite da V Semana Espírita da FEIS (20/10). Francisco Masan, escritor e psicólogo, apresentou sua palestra sobre a Lei de Sociedade e Lei do Progresso, mencionando que nunca tivemos o olhar tão voltado para nosso país e suas questões políticas, uma vez que a sombra coletiva vem emergindo como reflexo de nossa sociedade.
Aconselha Masan que devemos ver tal estado não só como uma expressão massiva do mal, mas reconhece-lo com a visão de fraternidade, cidadania e respeito por nosso mundo. Apresenta a questão nº 768 do Livro dos Espíritos onde se pergunta sobre a pertinência da busca do homem pela sociedade, os espíritos respondem que devemos progredir em coletividade. Em princípio, somos egoístas, aos poucos saímos do centro para viver os laços familiares, daí para as experiências pessoais, interpessoais no trabalho, no lazer e na sociedade em direção aos primeiros rudimentos do amor, antes passando pela dor.
Do individuo para a sociedade o ser percebe as leis e sanções quando transgredidas tais normas. No Espiritismo, as 10 Leis Morais nos ajudam a tomar consciência e nos alinhar com os princípios espirituais buscando o progresso.  Precisamos, conforme o palestrante, viver o amor “Fati” citado pelo filósofo Nietzsche (1844-1890), amor ao seu destino, à existência e ao outro.
O progresso surge com o bem ou o mal que vem em nosso caminho nessa relação com a sociedade, porque o homem só aprende a ser singular na coletividade. Nessa estrada evolutiva precisamos nos equilibrar no trinômio 3D:
Desejo/instinto;           Dever/lei;             Devoção/amor

No desejo, o homem satisfaz seus apetites, o amor é restrito à família.  Pode se tornar seco se consumido pelo dever, este não pode ser forçado, antes leve e natural. O amor traz o propósito de realizar o dever e precisa transcender o espaço da obrigação. A devoção por sua vez, lembra-nos da necessidade de ajudar aos mais frágeis, da conexão com nossa fonte (DEUS) e da prática da caridade e do perdão.
Devemos, pois, trabalhar pela vida, pelos irmãos para conectar-nos com a Lei de Sociedade, com o propósito maior em consonância com a Lei do Progresso. “Quando dotamos outra vida de esperança, nossa vida ganha mais sentido”, vaticina Masan. 
Para encerrar, o psicólogo convida os ouvintes a pensar que a Terra é uma das nossas casas, que a alma é luz e que interligados a nossa alegria ou tristeza será a alegria ou tristeza do outro porque estamos juntos.